Chutando o Preconceito

teste site

 

tinga_chutandoopreconceitoChutando o Preconceito é a ação social que expande a pontuação do jogo para fora dele, que torna a vitória ao preconceito uma extensão do futebol. A influência do esporte na vida dos brasileiros é imprescindível, buscar nele a conscientização é a ferramenta do projeto. Aqui, o gol deve ocorrer fora do campo, deve se mesclar ao cotidiano e ser real em gestos e palavras, lutar pela permanência. Aqui, o gol dribla as dificuldades, se aprofunda no desconhecido, leva na sua corrida em direção a goleira a meta de desacostumar os olhos a verem nos outros o outro. Todos somos um e esse gol vai ser nosso.

Para promover o evento esportivo, a CUFA RS montará nas cidades arenas esportivas, onde jogadores, personalidades e ativistas engajados no combate ao preconceito poderão cobrar um pênalti e fazer um gol no preconceito. De forma lúdica, o ato chutar a bola carrega significados. O chute consiste na metáfora do ato: é necessário se mover para mudar a realidade. O gol representa a vitória contra o preconceito.

O apito inicial dos jogos contra a discriminação foi dado e um deles ocorreu em Porto Alegre. O Projeto Chutando o Preconceito está previsto para ser realizado em 15 capitais brasileiras, entre elas as 12 capitais que realizarão os jogos da Copa do Mundo em 2014. A iniciativa, além de mobilizar a população em geral, tem como objetivo envolver instituições sociais, empresas, personalidades e autoridades locais para disseminar a prática positiva para erradicação desse sentimento que afeta diretamente milhares de pessoas em todo o país.

TINGA

Oriundo do bairro da Restinga, de Porto Alegre, Paulo César Fonseca do Nascimento iniciou a carreira no Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, conquistando duas vezes a Copa do Brasil. Teve passagens por times internacionais e ganhou duas vezes a Copa Libertadores da América e uma Recopa Sul-Americana pelo Sport Club Internacional. No Borussia Dortmund, levantou a taça da Supercopa da Alemanha. Pelo Cruzeiro Esporte Clube, atual clube, venceu o Campeonato Brasileiro.
Seu envolvimento com ações comunitárias por meio do esporte está em projetos como o Aspirantes de Cristo, desenvolvido na comunidade Morro Santana, da capital gaúcha e no Esporte Clube Cidadão, fundado em parceria com o ex-jogador Dunga. Sua parceria com a CUFA RS surgiu no projeto Bola Comunitária, em que foi escolhido como Padrinho do 1º Torneio. Tinga e Manoel Soares idealizaram o Chutando o Preconceito com a CUFA, no intuito de expandir e abrir portas para outras iniciativas. O atleta esteve sujeito ao preconceito nos estádios de futebol e afirmou: “Trocaria meus títulos por um mundo com igualdade entre todas as raças, classes e lugares”.

O OPONENTE

O projeto tem como símbolo do preconceito um monstro que tentará defender a bola que corre de encontro ao gol. A fantasia é uma maneira lúdica e criativa de exemplificar o problema social inserido na sociedade, seja este racial, de gênero, sexo e outros que, de forma velada ou explícita, vivem nas atitudes, discursos e gestos diários. Com a justificativa de divertir, e não de assustar, o monstro é uma forma dinâmica de representar a discriminação e provocar a reflexão de forma divertida e solidária. Todos se juntam na brincadeira para vencer o monstro. Na brincadeira do Chutando o Preconceito, a meta é percebê-lo e fazer um gol nele. A ideia é que este ato seja levado para fora do evento, fazendo com que as pessoas identifiquem atos preconceituosos em suas rotinas e os revertam, vencendo diariamente a discriminação.

Veja também o livro:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>