[CUFA Montenegro] Mulheres são homenageadas por atuação social

Reconhecimento. O núcleo Maria Maria, da Cufa, elencou dez personalidades que se destacam em Montenegro

O núcleo de mulheres Maria Maria, da Central Única das Favelas (Cufa) de Montenegro, em parceria com o Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres (Comdim), promoveu ontem evento em homenagem às mulheres que se destacam por sua atuação junto às comunidades carentes. No ano em que a Cufa celebra uma década de atuação no município, o núcleo manifestou seu reconhecimento ao trabalho realizado pelas dez mulheres elencadas e, através delas, referenciar as demais que nem sempre são lembradas. O evento, que também comemorou o Dia Internacional da Mulher, ocorreu na Associação Comunitária da Vila Esperança, no bairro Senai.

A coordenadora do grupo Maria Maria e presidente do Comdim, Carliane Pinheiro, destaca que o objetivo do núcleo é promover ações sociais, como rodas de conversas e debates, tendo como foco as mulheres. Contudo, lembra que esse trabalho somente ganha força graças ao apoio das entidades parceiras. O evento em celebração ao Dia da Mulher visou promover o reconhecimento das parceiras femininas.

A coordenadora da Cufa no Estado e criadora do núcleo Maria Maria, Ivanete Pereira, é uma das homenageadas. Ela destaca o trabalho que vem sendo feito em Montenegro pelo coordenador local, Rogério Santos. Grande parte do êxito das ações da entidade se deve ao empenho do grupo formado por mulheres. “O Maria Maria é feito de amor”, salientou a ativista social.

Apenas uma das dez homenageadas não compareceu ao encontro, a irmã Eva, coordenadora do grupo de apoio das mulheres na Vila Esperança, representante da Igreja Católica. Carliane conta que a irmã desenvolve um projeto social na comunidade da Esperança há mais de 30 anos. “Antigamente, quando as mulheres da vila não tinham gás, traziam o pão para ser assado pela irmã Eva”, reconhece.

O evento de ontem à tarde foi marcado pela fala de cada uma das homenageadas e pela entrega de um certificado alusivo ao reconhecimento do envolvimento delas com o grupo Maria Maria.

Secretária Ana: “faço tudo ao meu alcance”

A secretária municipal da Saúde, Ana Maria Rodrigues, foi uma das mulheres homenageadas pelo núcleo Maria Maria. Conforme a coordenadora do grupo, Carliane Pinheiro, Ana está sempre presente no grupo, ouvindo as reivindicações e lutando por melhorias para a vida das mulheres da periferia.
“Agradeço a homenagem, mas tudo o que se faz é nada perto do que a comunidade precisa. Porém, tenho a consciência tranquila por saber que faço tudo que está ao meu alcance”, ressaltou Ana, ao discursar.

“O momento é de reflexão”, diz delegada


Participante mais antiga do Maria Maria, a
 titular da Delegacia de São Sebastião do Caí e da Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam) de Montenegro, Cleusa Spinato, foi lembrada pelo combate à violência contra as mulheres. Com 18 anos de carreira, ela destaca o amor pela profissão e afirma que o segredo para se alcançar qualquer objetivo é doar-se integralmente. “O importante é fazermos sempre o nosso melhor.” Ela assegurou a continuidade do processo que visa instalar uma casa abrigo para atendimento regional às vítimas de violência doméstica.

Elenita dos Santos Castro foi destaque por sua participação no núcleo de mulheres. Ela representa as demais mulheres da Vila Esperança. A moradora começou a participar das reuniões do núcleo logo após sua fundação, há dez anos.
Tímida e de poucas palavras, Elenita se diz uma pessoa colaborativa e que busca o melhor para si e para as pessoas que com ela convivem.

Promotora destaca a união por resultados

A promotora pública de Montenegro Graziela Lorenzoni relatou ter sido surpreendida pela menção. Contudo, disse que tem utilizado todas as ferramentas fornecidas pela Justiça para ajudar as mulheres que necessitam do apoio do Ministério Público. Parabenizou o grupo Maria Maria e enfatizou que a união de pessoas motivadas, com o propósito de lutar por si e pelos outros, fez com que o núcleo alcançasse os resultados que são vistos hoje.

 

 

 

 

A eterna professora da Escola Esperança

Janete Lencina ficou conhecida no Senai pelo trabalho realizado como diretora da Escola Municipal Esperança, mas sua ligação com o local começou bem antes. O empenho dela foi fundamental para a implementação do educandário no bairro. Por todo o esforço e dedicação dispensados aos moradores da vila, a docente foi agraciada pelo Maria Maria. “É emocionante ver que as pessoas lembram de mim. Eu sou parte desse lugar.”

 

Meio rural também foi lembrado

A agricultora Maria de Brito deixou o marido lembrar de sua trajetória. Agricultora, dona de casa, esposa e mãe de família, Maria representou o grupo de mulheres do meio rural que muitas vezes tem suas batalhas veladas pela sociedade urbana.

 

 

 

Diretora do Jornal Ibiá foi homenageada

Uma das diretoras e fundadoras do Jornal Ibiá, Maria Luiza Szulczewski, foi destaque por atuar em causas sociais e contribuir com a divulgação do trabalho realizado pela Cufa e pelo Maria Maria. “O Jornal Ibiá dá visibilidade às mulheres que fazem um trabalho que não é visto. Além disso, apoia nossos eventos através da divulgação”, explica Carliane.
Maria Luiza enfatiza que uma das diretrizes do Ibiá é dar voz às pessoas. “Trabalhamos em um lugar onde além de ganhar o pão, conseguimos ajudar muitas pessoas”, observa.

 

 

 

 

 

Tatiana Furtado lamenta desigualdade social

A psicóloga e coordenadora da RECREO Tatiana Furtado foi a última a receber o certificado de reconhecimento. Ela desempenha atividades junto a mulheres em recuperação de dependência química e também é integrante do Maria Maria. “Dedico esse certificado para todas as mulheres que sofreram por conta da drogadição. O vício é alimentado pela desigualdade social e pela falta de amor”, pondera.
Posted in Notícias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *